Categoria: Logistíca

Caminhoneiros convocam greve de 72 horas, protestos fecham principais rodovias de São Paulo

Entre as reivindicações da categoria estão o subsídio do óleo diesel, isenção de pedágios e a criação de uma secretaria específica para a categoria pelo Governo Federal.
Como prometido, caminhoneiros fecham, desde os primeiros minutos desta segunda-feira (1º) a BR-381, em Igarapé e Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte.
Os caminhoneiros pedem subsídios para baratear o óleo diesel e isenção para caminhões do pagamento de pedágios em todas as rodovias, o que, de acordo com eles, reduziria o custo com frete e, como reflexo, iria baratear o preço dos produtos em geral

NOVIDADES – Dirigível é a nova aposta da Engevix

O montante será usado pela fábrica recém-criada no desenvolvimento de um protótipo de dirigível movido a gás hélio que possa transportar 30 toneladas de carga. O veículo terá 12 metros de comprimento e velocidade de até 65 quilômetros por hora. No futuro, no entanto, a intenção é que a capacidade do veículo chegue a 200 toneladas e se transforme em um modal de relevância para o país para transportar diferentes tipo de cargas – inclusive commodities – e até pessoas.

Estado de SP decide baixar tarifas de pedágio em ao menos 10%

O corte nas tarifas de pedágio é uma das bandeiras do tucano para tentar neutralizar críticas da oposição ao governo do PSDB em SP.

Ele foi acelerado após medidas populares da presidente Dilma Rousseff (PT) para desoneração de vários setores, como a da energia elétrica e a da cesta básica.

ESTRADAS – ATIVAÇÃO DE RADAR EM RODOVIAS FEDERAIS ESTÁ ATRASADA

O Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade (PNVC), como foi chamado pelo governo federal, parece andar com o freio de mão puxado. Apesar de o Dnit prever 1.650 equipamentos em operação no País até o fim deste ano, por enquanto somente 960 estão registrando os excessos nas rodovias – o equivalente a 58% do esperado.

LOGISTÍCA – Portos terão R$ 54 bilhões em investimentos até 2017

O programa prevê ainda a retomada da capacidade de planejamento portuária, com a reorganização institucional do setor e a integração logística entre modais. Além de cuidar de portos marítimos, fluviais e lacustres, a Secretaria de Portos ficará responsável pela centralização do planejamento portuário, e não mais pelos portos separadamente.